Compartilhe

Vagas de estacionamento transformadas em “mini-parques” aumentam vendas do comércio

Na cidade de São Paulo, donos de bares e restaurantes estão recorrendo a uma nova forma de atrair clientes: os parklets. Criados em São Francisco, nos EUA, em 2005, surgiram como forma de converter o espaço do estacionamento dos automóveis na via pública em áreas recreativas. Trata-se de uma extensão temporária da calçada, realizada por meio da implantação de uma plataforma sobre a área antes ocupada por automóveis na via pública. Geralmente, essas áreas são equipadas com bancos, floreiras, mesas e cadeiras, guarda-sóis, aparelhos de exercícios físicos, paraciclos ou outros elementos de mobiliário, com função de recreação ou de manifestações artísticas.

No Brasil, o conceito de parklet chegou primeiro a São Paulo, em 2012. A primeira implantação aconteceu no ano seguinte, liderada por um grupo composto por arquitetos, designers e ONGs. Regularizados por uma lei municipal em abril de 2014, os parklets já chegam a 32 na cidade de São Paulo. De acordo com a prefeitura, eles beneficiam, diariamente, 300 pessoas, enquanto duas vagas de estacionamento – que é o espaço necessário para montá-los –, servem a 40 automóveis por dia.

Ainda de acordo com um estudo da Prefeitura de São Paulo, registra-se um aumento médio de 14% nas vendas de estabelecimentos comerciais em frente aos parklets. A estrutura, embora não possa ser explorada comercialmente, é uma estratégia de valorização do entorno, o que ajuda na atração de novos clientes.

Em São Paulo, a instalação dos parklets pode ser de iniciativa da Administração Pública ou de qualquer cidadão. Os custos financeiros referentes à instalação, manutenção e remoção do parklet são de responsabilidade exclusiva do mantenedor. “Qualquer calçada que respeite os termos do decreto pode ser estendida. A pessoa pode ser comerciante, lojista, pode ter um restaurante e eventualmente a própria comunidade pode ter interesse em manter o parklet. A manutenção é privada e a fruição é pública, ou seja, você não pode privatizar o espaço, você não pode reservar o espaço para o seu uso pessoal. Ele é um espaço público, é uma extensão do calçamento”, explica o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.

Você também pode
gostar de:

mesa com pequenos potes de molhos para batata frita - Assaí Atacadista

Molhos para batata frita: aprenda receitas de lamber os dedos!

Saboreie novos molhos para batata frita e deixe a hora do lanche ainda mais gostosa!  

lupa com hamburguer com um mapa mundial no fundo - hamburgueres exóticos - Assaí Atacadista

Hambúrgueres exóticos - uma jornada gastronômica ao redor do mundo

Descubra quais são os hambúrgueres exóticos ao redor do mundo!

fundo vermelho com fita métrica relógio e prato de comida - receitas rápidas - Assaí Atacadista

4 receitas rápidas e saudáveis para comer no dia a dia

Economize tempo preparando estas receitas rápidas para comer!  

Fornecedores do Assaí.

Empresas e indústrias de confiança com produtos de qualidade!