Curiosidades

Pacaembu: decisões inesquecíveis no charmoso estádio paulista

O Paulo Machado de Carvalho, que já serviu de “castelo” para o Rei Pelé, viu alguns títulos do Brasileirão serem comemorados em seus domínios

“O seu, o meu, o nosso Pacaembu”. É muito difícil encontrar um torcedor que viva na cidade de São Paulo e que não tenha um carinho especial pelo Paulo Machado de Carvalho. Os assentos próximos, as cadeiras charmosas e coloridas, além de sua localização central na capital paulista, sempre deram um brilho diferente ao Estádio Municipal nomeado em homenagem ao chefe da delegação brasileira em duas Copas do Mundo, 1958 e 1962. Agora, concedido à iniciativa privada, está passando por uma enorme revitalização, que inclusive acabou de demolir o setor do Tobogã (que no passado já havia sido construído no lugar da Concha Acústica).

O Pacaembu, que já foi palco de decisões de título do Brasileirão Assaí, foi inaugurado em 1940: uma goleada do Palestra Itália (o nome antigo do Palmeiras) sobre o Coritiba por 6 x 2 – foi uma rodada dupla, em que o Corinthians venceu o Atlético-MG por 4 x 2. Começava ali uma história de jogos emocionantes em todos os grandes torneios de futebol – além do Campeonato Brasileiro, recebeu finais de regionais, de Libertadores, dos Jogos Pan-americanos e foi até como palco da Copa do Mundo.

Entre as partidas de maior público está um clássico entre Palmeiras e Santos, que terminou empatado em 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro de 1977: pouco mais de 73.000 torcedores (entre pagantes e menores). Outro jogo com mais de 70.000 pessoas, em 1942, foi a estreia de Leônidas da Silva no São Paulo, em mais um empate em 3 x 3 com o Corinthians.

O Pacaembu foi uma espécie de “castelo” particular para o Rei do Futebol. Pelé brilhou neste palco tanto com a camisa do Santos quanto com a da Seleção Brasileira. Ele é o maior artilheiro da história do estádio, com 115 gols em 119 jogos. Seu último jogo no Pacaembu foi em 29 de setembro de 1974, num clássico entre Santos e Corinthians, em que o Peixe perdeu por 1 a 0.

Mas as grandes emoções vieram mesmo nas grandes decisões em partidas que definiram o campeão brasileiro. Abaixo, relembraremos alguns jogos memoráveis do Brasileirão realizados no Pacaembu:

Virada à Mineira - O Cruzeiro vinha de vitória no primeiro jogo e precisava apenas de um empate para ser campeão. Nos primeiros 45 minutos só deu Santos, com Pelé em dia inspirado, encerrando o primeiro tempo com vitória de 2 x 0 para o time paulista – se o Santos vencesse seria necessário um terceiro jogo para definir o campeão da Taça Brasil de 1966. Mas a volta para o segundo tempo teve um novo Cruzeiro. Chuva forte, campo enlameado, poças d’água por todos os lados, o Cruzeiro, mesmo depois de perder um pênalti com Tostão, assumiu o comando do jogo e passou a acertar as jogadas. Conseguiu o empate e no último minuto ainda marcou o gol da vitória.

FICHA TÉCNICA: SANTOS 2 X 3 CRUZEIRO

DATA: 07/12/1966
ÁRBITRO: Armando Marques (RJ)
PÚBLICO: 30.000 pessoas (5.000 cruzeirenses).
RENDA : Cr$ 65.142.000
GOLS : Pelé aos 23 e Toninho aos 25; Tostão aos 18, Dirceu Lopes aos 28 e Natal aos 44 do segundo tempo.

CRUZEIRO: Raul, Pedro Paulo, William, Procópio e Neco; Piazza, Dirceu Lopes e Tostão; Natal, Evaldo e Hilton Oliveira. Treinador: Aimoré Moreyra.

SANTOS: Cláudio, Zé Carlos, Haroldo, Oberdã e Lima; Zito e Mengávio; Amaury (Dorval), Pelé, Toninho e Edu. Treinador: Lula.

 

Decisão “Clássica” - Na final do Brasileirão Assaí de 1994, o Palmeiras teve como grade destaque de sua equipe o atacante Rivaldo nas duas partidas, que havia deixado o Corinthians pouco tempo antes. Ele marcou dois dos três gols da vitória do Verdão por 3 a 1 na partida de ida; Edmundo fez o outro e Marques descontou para o Timão. No segundo jogo, Rivaldo marcou no empate por 1 a 1.

Com a base do bom time de 1993, o Palmeiras iniciou o torneio voando, com 9 vitórias e 1 empate nos 10 primeiros jogos. Na segunda fase, com apenas uma derrota, passou às quartas, despachou o Bahia, e, em seguida, o Guarani na semi. Na decisão, Marques abriu o placar para o Corinthians, mas Rivaldo apareceu novamente para finalizar jogada de Edmundo e empatar, garantindo o título alviverde.

FICHA TÉCNICA: PALMEIRAS 1 X 1 CORINTHIANS

DATA: 18/12/1994
ÁRBITRO: Márcio Rezende de Freitas (MG)
PÚBLICO: 35.271 pessoas
RENDA: R$ 372.325,00
GOLS: Marques aos 3; Rivaldo aos 36 do segundo tempo

PALMEIRAS: Velloso; Cláudio, Antônio Carlos, Cléber e Wágner; César Sampaio, Flávio Conceição (Amaral), Zinho e Rivaldo; Edmundo (Tonhão) e Evair. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

CORINTHIANS: Ronaldo; Paulo Roberto, Henrique, Gralak e Branco; Luizinho, Marcelinho Paulista e Souza (Tupãzinho); Marcelinho Carioca, Viola e Marques. Técnico: Jair Pereira.

 

Duelo alvinegro - Depois de vencer o primeiro jogo no Rio de Janeiro, por 2 a 1, o Fogão – mesmo com Donizete Pantera em campo lesionado – segurou o empate em 1 a 1 no Pacaembu e conquistou o título. Aos 24 minutos do primeiro tempo, Túlio Maravilha aproveitou cobrança de falta de Sérgio Manoel para colocar o Botafogo na frente. No segundo tempo, com 1 minuto, Marcelo Passos empatou para o Santos. O Peixe ainda teve um gol anulado, aos 34 minutos.

FICHA TÉCNICA: SANTOS 1 X 1 BOTAFOGO

DATA: 17/12/1995
ÁRBITRO: Márcio Rezende de Freitas
PÚBLICO: 28.488 torcedores
RENDA: R$ 697.520,00
GOLS: Marcelo Passos aos 24, e Túlio a 1 do segundo tempo.

SANTOS: Edinho; Marquinhos Capixaba, Ronaldo, Narciso e Marcos Adriano; Carlinhos, Marcelo  Passos e Robert (Macedo); Jamelli, Giovanni e Camanducaia. Técnico: Cabralzinho.

BOTAFOGO: Wágner; Wilson Goiano, Wilson Gottardo, Gonçalves e André Silva (Moisés); Leandro, Jamir, Beto e Sérgio Manoel; Donizete Pantera e Túlio. Técnico: Paulo Autuori.

 

Ao “Doutor”, com carinho - Em dia de muita tristeza e emoção, o Corinthians recebeu o Palmeiras pela última rodada e garantiu o título com um empate sem gols. A partida teve muitas homenagens a Sócrates, o ídolo corintiano que morreu pela manhã daquele dia 4 de dezembro, horas antes do jogo.). Em um jogo nervoso do início ao fim, nenhuma das duas equipes conseguiu balançar as redes. O primeiro tempo foi truncado, sofrido, e com muita discussão sobre o que teria sido um penâlti não marcado para o Corinthians. No segundo tempo, Valdívia atingiu Jorge Henrique e foi expulso.  Apesar das confusões, também foram expulsos Wallace e Leandro Castán (pelo Corinthians) e João Vitor – a  imagem que ficou marcada foi a de antes de o jogo começar, com um minuto de silêncio e os jogadores corintianos no círculo central com o braço direito levantado e o punho fechado, gesto usado por Sócrates para comemorar seus gols – o que foi repetido pela torcida alvinegra no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 0 X 0 PALMEIRAS

DATA: 04/12/2011
ÁRBITRO: Wilson Luiz Seneme (SP)
PÚBLICO: 36.708 pagantes
RENDA: R$ 1.326.367,00

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Paulo André, Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Wallace e Alex; Willian (Chicão), Jorge Henrique (Moradei) e Liedson. Técnico: Tite

PALMEIRAS: Deola; Cicinho (Maikon Leite), Leandro Amaro, Henrique e Gerley; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Patrik (João Vitor) e Valdivia; Luan e Ricardo Bueno (Fernandão). Técnico: Luiz Felipe Scolari