Curiosidades

Com eles é bola na rede: os maiores artilheiros da história do Brasileirão Assaí

Após a conquista da 2ª posição pelo Tricolor Fred, o portal Assaí Dá Jogo relembra a trajetória dos maiores goleadores do futebol nacional

Ao marcar o primeiro gol do Fluminense, na vitória por 2 x 1 sobre o Bragantino no último dia 26 de setembro, no Maracanã, em partida válida pela 22ª rodada do Brasileirão Assai 2021, o atacante Fred se tornou o segundo maior artilheiro da historia do campeonato nacional desde 1959. Fred passou Romário e agora está atrás apenas do maior ídolo da história do Vasco, Roberto Dinamite.

Fred balançou as redes no torneio nacional 155 vezes, enquanto Dinamite tem a incrível marca de 190 tentos. Ou seja: se quiser assumir a ponta dessa lista de maiores artilheiros do Brasileirão, Fred vai ter de pensar em ser muito eficiente em campo nas próximas duas temporadas - isso fazendo uma projeção otimista, com base em 2020, quando os dois artilheiros do campeonato nacional, Claudinho, do Bragantino, e Luciano, do São Paulo, marcaram 18 gols cada um.

Essa tarefa não vai ser nada fácil para Fred pois, embora na ativa, o atacante tricolor já está com 38 anos. Veja abaixo a lista com os dez maiores artilheiros do Brasileirão Assaí e relembre suas características marcantes:

1) ROBERTO DINAMITE: 190 gols

Nasceu em Duque de Caxias/RJ, em 13/4/1954
Campeão brasileiro em 1974 (Vasco)
Artilheiro nacional em 1974 (16 gols) 

Considerado o maior jogador do Vasco, Roberto Dinamite defendeu o time de 1971 a 1991. Teve uma passagem relâmpago pelo Barcelona (Espanha) em 1980 e ainda defendeu, pouco antes de se aposentar, por algumas partidas, a Portuguesa (SP) e o Campo Grande (RJ). Goleador nato, forte, hábil, chutava bem de longa distância. Dinamite também driblava bem, tinha boa velocidade, apesar de seu tamanho, e batia faltas com maestria. Esteve nas Copas do Mundo de 1978 e 1982.

2) FRED: 155 gols

Nasceu em Teofilo Otoni/MG, em 3/10/1983
Campeão Brasileiro em 2010 e 2012 (Fluminense)
Artilheiro nacional  2012 (20 gols) e 2014 (18 gols) pelo Fluminense; e 2016 (14 gols pelo Fluminense e Atlético-MG)

Começou sua carreira profissional no América-MG em 2003 e também passou pelo Cruzeiro em duas oportunidades, Lyon da França (de 2005 a 2009), Fluminense (duas vezes) e Atlético-MG. Artilheiro com características dos centroavantes clássicos, com habilidade e extraordinária colocação na área. Defendeu a Seleção Brasileira na Copa América de 2007 e na Copa das Confederações em 2013.

3) ROMÁRIO: 154 gols

Nasceu no Rio de Janeiro, em 29/1/1966
Campeão Brasileiro em 2000 (Vasco)
Artilheiro nacional pelo Vasco em 2000 (20 gols), 2001 (21 gols) e 2005 (22 gols)  

O Baixinho iniciou carreira no Vasco, em 1985, e em 1988 se transferiu para o PSV da Holanda, onde ficou até 1993, quando se mudou para o Barcelona, e voltou ao Brasil em 1995, para o Flamengo, passando a seguir pelo Valencia, Flamengo, Vasco novamente, Fluminense, uma rápida passagem pelo Al Sadd, Vasco de novo, e, m 2005. Teve rápidas passagens pelo Miami (EUA) e Adelaide United (Austrália) em 2006, e mais uma volta ao Vasco, onde encerrou carreira em 2008 – fez ainda uma partida pelo América do Rio em 2009. Campeão do Mundo em 1994, nos EUA, Romário era rápido, tinha dribles desconcertantes e o poder de sempre aparecer na área para finalizar uma jogada. Tinha todas as ferramentas para fazer gols, inclusive as que às vezes são desprezadas, como usar o bico da chuteira para balançar as redes. Era famoso também por comentários ácidos sobre treinadores e outros jogadores, além de não ter qualquer modéstia para falar de si mesmo.

4) EDMUNDO: 153 gols

Nasceu em Niterói/RJ, em 2/4/1971

Campeão brasileiro em 1993 e 1994 (Palmeiras) e em 1997 (Vasco)
Artilheiro nacional em 1997 (29 gols pelo Vasco) 

De 1992 a 2008 defendeu Vasco, Palmeiras, Parma, Flamengo, Corinthians, Fiorentina, Napoli, Santos, Cruzeiro, Tokyo Verdy, Urawa Red Diamonds, Nova Iguaçu, Fluminense, Figueirense. Jogador habilidoso, provocativo, tinha ótima colocação e faro para marcar gols. Excelente driblador, o Animal era habilidoso, veloz e tinha faro para o gol. Tinha a língua afiada e se envolveu em várias polêmicas com outros jogadores e até cartolas.  Esteve na Copa de 1998, na França.

5) ZICO: 135 gols

Nasceu no Rio de Janeiro, em 3/3/1953
Campeão brasileiro em em 1980, 1982 e 1983
Artilheiro nacional em 1980 (21 gols), 1982 (20 gols) 

De 1971 a 1994, defendeu o Flamengo (de 1971-83 e de 1985-89), Udinese da Itália (1983-85), e Kashima Antlers do Japão (1991-94). Sua especialidade é rara hoje em dia: bata falta como se colocasse a bola dentro do gol com a mão... Foram muitos gols em que a torcida já se preparava para comemorar muito antes do Galinho bater a falta. Além dessa habilidade rara, Zico driblava em espaços apertados, era rápido e conseguia muitas vezes chutar para o gol de dentro da área sem tirar a perna de apoio do lugar, em giro rápidos, como num videogame. Jogava sempre para a frente, sem fazer graça, com objetividade, buscava a bola ainda no seu campo em direção ao gol adversário. Esteve nas Copas de 1978, 1982 e 1986 – marcou 66 gols com a camisa amarela.)

6) TÚLIO MARAVILHA: 129 gols

Nasceu em Goiânia, em 2/6/1969
Campeão brasileiro em 1995
Artilheiro nacional em 1989 (11 gols pelo Goiás), 1994 (19 gols pelo Botafogo, empatado com Amoroso do Guarani), 1995 (23 gols pelo Botafogo)

Túlio Maravilha estendeu o que foi possível sua carreira. De 1988 a 2019 (com uma parada de 3 anos) defendeu Goiás, Sion (Suí;ca), Botafogo, Corinthians, Vitoria, Fluminense, Cruzeiro, Vila Nova, São Caetano, Santa Cruz, Ujpest, Brasiliense, Atlético-GO, Tupi, Jorge Wilstermann, Anapolina, Volta Redonda, Juventude, Al Shabab, Fast, Cabedense, Itumbiara, Potyguar, Barras, Bonsucesso, Tanabi, Vilavelhense, Araxá, Atlético Carioca e Taboão da Serra. Provocador, cheio de frases polêmicas e desafios a outros artilheiros, Túlio tinha estilo agressivo, típico de centroavante, e faro de goleador. Foi vice-campeão da Copa América de 1995 com a Seleção Brasileira.

7) SERGINHO CHULAPA: 127 gols

Nasceu em São Paulo, em 23/12/1953
Campeão brasileiro em 1977 pelo São Paulo
Artilheiro nacional em 1983 (22 gols pelo Santos)

O centroavante jogou de 1973 a 1982 no São Paulo, e depois passou por Marília, Santos (quatro vezes), Corinthians, Maritimo (Portugal), Malatyaspor (Turquia), Portuguesa Santista, São Caetano e Atlético Sorocaba – este último em 1993, quando se aposentou como jogador. Alto, forte, fazia gols de qualquer jeito, tinha estilo brigador, e não somente quanto ao jeito de jogar: envolveu-se em confusões com colegas de time, com bandeirinhas, juízes, treinadores e jornalistas. Ficou marcado por uma série de suspensões. Mas sua perna esquerda era fatal. Disputou a Copa do Mundo de 1982. 

8) DADÁ MARAVILHA: 127 gols
Nasceu no Rio de Janeiro, em 4/3/1946

Campeão brasileiro em 1971 pelo Atlético-MG e em 1976 pelo Internacional
Artilheiro nacional em 1971 (15 gols) e 1972 (17) pelo Atlético-MG; e em 1976 (16 gols) pelo Inter

De 1966 a 1986 defendeu Campo Grande, Atlético-MG, Flamengo, Sport, Internacional, Ponte Preta, Paysandu, Náutico, Santa Cruz, Bahia, Goiás, Coritiba, Nacional, XV de Piracicaba, Douradense e Comercial de Registro (onde encerrou carreira). Centroavante de estilo trombador, fazia gols de todo jeito e abusava de seu jeito meio “atrapalhado”. Fez muitos gols decisivos em seus times e era frasista folclórico. São clássicos dele frases como: "Não venha com a problemática que eu dou a solucionática"; "Me diz o nome de três coisas que param no ar: beija-flor, helicóptero e Dadá Maravilha"; "Não existe gol feio. Feio é não fazer gol." Fez parte da delegação tricampeã da Seleção Brasileira em 1970. 

9) WASHINGTON: 126 gols

Nasceu em Brasília, em 1/4/1975

Campeão brasileiro em 2010 com o Fluminense
Artilheiro nacional em 2004 (34 gols pelo Athletico-PR) e em 2008 (21 gols pelo Fluminense, empatado com Keirrison, do Coritiba e Kleber Pereira do Santos) 

De 1993 a 2011 o “Coração Valente” defendeu Caxias, Internacional, Ponte Preta, Fenerbahçe, Athletico-PR, Tokyo Verdy, Urawa Red Diamonds, Fluminense e São Paulo. Centroavante clássico, raiz, fazedor de gols, com excelente colocação na área e grande capacidade de finalização. Teve problemas cardíacos e foi aconselhado a parar de jogar aos 27 anos – passou pelos procedimentos necessários e voltou em grande estilo, sendo artilheiro nacional em 2004 com recorde de gols na competição. Disputou a Copa das Confederações em 2001 pela Seleção Brasileira. 

10) DIEGO SOUZA: 123 GOLS

Nasceu no Rio de Janeiro 17/6/1985
Vice-campeão Brasileiro em 2011 pelo Vasco
Artilheiro nacional em 2016 (14 gols pelo Sport, empatado com Fred, do Fluminense, e William Potker, da Ponte Preta) 

Iniciou a carreira em 2003 no Fluminense e também defendeu Benfica, Flamengo Palmeiras, Grêmio, Atlético, Vasco, Cruzeiro, Al-Ittihad, Metalist, Sport, São Paulo e Botafogo. Começou como volante mas depois passou a jogar de meia e em seguida a frequentar mais a área adversária. Tem bom domínio de bola, arma bem as jogadas e bom senso de colocação na área.